terça-feira, 30 de junho de 2015

Punk Comix: Os “flirts” entre a BD e o Punk em Portugal

1. Questões e constatações

Este paper é um resumo de uma investigação da forma que o Punk é tratado na Banda Desenhada portuguesa e o que conta a Banda Desenhada portuguesa sobre o Punk, numa base de testemunho pessoal, de escrita empírica e com uma investigação sobre os acervos pessoais e públicos (sobretudo no da Bedeteca de Lisboa). A investigação será publicada na íntegra num livro sob o título “Punk Comix : Banda Desenhada e Punk em Portugal”.

Serve o artigo como um documento de referência para quem quiser pegar na BD para trabalhar em assuntos relacionados com o Punk, culturas urbanas, música, cultura Do-It-Yourself (DIY), artes gráficas e editoriais. A cultura da BD sofre de reconhecimento social e institucional, sempre relacionada como um produto de massas e de preferência para as camadas infanto-juvenis. Vista como uma “arte freak” pelo uso simultâneo de texto e de imagem, costuma irritar quem quer coisas bem comportadas e estanques que se possam colocar numa gaveta literária ou numa visual. É justamente este estatuto híbrido que a torna bastante interessante para quem precisa de imagens ou documentos textuais em alguma investigação sobre uma cultura, como a da KISMIF sobre o punk.

Apesar dos bravos e originais inícios, a BD portuguesa tem reduzida produção por falta de investimento das editoras, seja em BD comercial ou “de autor”. Pior é constatar que são poucas as obras que nos contam sobre Portugal e as suas gentes, mesmo quando mascarada em autoficções ou ficções. Pode-se culpar o isolamento do Fascismo e a geografia periférica para essa pobreza de conteúdos; mas mesmo depois do 25 de Abril até hoje ainda são poucas as obras ligadas à “reportagem”, “jornalismo”, “crónica”, “diário de viagem” ou “autobiografia”.

Para além disso há pouca regularidade de produção de cada autor para se conseguir manter um contínuo de análise da evolução de um tema específico. Há obras que saltam no tempo – como o caso de Arlindo fagundes que fez dois álbuns de BD separados por 17 anos! - e não há diálogo entre obras e autores. Para ter um quadro mais completo sobre a “BD punk” é preciso ir buscar mais fontes, seja a BDs de outros temas, seja à ilustração ou ainda ao meio editorial independente.

Dada a estas limitações gerais até é bastante fácil apanhar “toda” a produção feita em volta do Punk na BD portuguesa e felizmente, através do acervo da Bedeteca de Lisboa consegue-se aceder a quase todas as edições, mesmo as underground, para se poder trabalhar neste tema – ou qualquer outro.

Resta chamar a atenção que durante esta investigação levantaram-se questões que alguém deveria estudar e responder, sobre a importância da BD na construção da cultura Punk. A começar internacionalmente no berço do Punk com a revista nova-iorquina Punk Magazine (1976/79) de John Holmstrom que parece mais uma revista de BD “underground” do que uma revista de música. Activa entre 1975 e 1979, a revista terá um impacto na comunidade de Nova Iorque, solidificando o termo “punk” (especialmente quando um número foi enviado como material de imprensa na promoção do disco de esteia dos Ramones) e mais tarde influenciando várias outras publicações pelo planeta fora, sendo um catalisador para inúmeros fanzines punk que surgiram como o Snifin’Glue de Londres.

Em Portugal, temos o caso da loja Mundo da Banda Desenhada (mais tarde Op) que entre 1977 e 1987 era um importante ponto de encontro frequentado por punks e boémios lisboetas; e há também o caso levantado por Paula Guerra, Pedro Quintela e Júlio Dolbeth no catálogo God Save The Portuguese Fanzines (2014) sobre a importância da BD que se encontrava no primeiro fanzine punk do Porto, Cadáver Esquisito (1986).


2. Existem obras que tratam sobre o punk em Portugal?

Surpreendentemente, apesar da “miséria” da produção portuguesa, encontram-se obras curiosas e válidas para estudar o Punk em Portugal. Elas existem e de várias formas, havendo até livros monográficos dedicados exclusivamente ao tema.
Apesar de haver umas figuras ou referências ao punk desde 1979, tratavam-nas sem dar importância e/ou fora de contexto, como os punks que apareciam na Iª Guerra Mundial da série O Espião Acácio de Fernando Relvas na revista Tintin.

O que podermos chamar de personagem com protagonismo será outra vez pelas mãos de Relvas em 1983 e desta vez com personagens femininas - algo de espantar num meio machista como o da BD e do punk! Sabina e Sangue Violeta são as personagens/BDs que aparecem no semanário Se7e. Depois disso os punks vão desaparecendo face a outras subculturas que nascem ou crescem nas últimas décadas do século XX, servindo apenas de “mobiliário urbano”. Voltam no início deste milénio com a entrada da Autobiografia na BD portuguesa em que são tratados menos como estereótipos mas como “humanos” – criticados, interrogados e a testemunharem factos reais.

Há uma proeminência de histórias curtas com/sobre punks porque apareciam em publicações “precárias” (como fanzines) ou efémeras como “gags” de páginas de periódicos – as BDs de Nuno Saraiva e o seu Zé Inocêncio. Na maior parte das BDs o papel do punk é quase sempre secundário. São em BDs longas que ganham protagonismo como nas BDs de Relvas, 88 de Nunsky e Punk Redux de João Mascarenhas mas são nas BDs curtas que se encontra o conteúdo mais documental - autorias de Teresa Câmara Pestana, Marcos Farrajota, José Smith Vargas,…

E se as primeiras BDs com Punks aparecem logo em jornais – Relvas no Se7e e Diniz Conefrey no Blitz – a sua presença mediática vai desaparecendo à medida que perde o impacto na cultura urbana dos anos 90. Essas mesmas BDs voltarão oficialmente com a reedição em formato livro a partir de 1996, apanhando o “boom” da BD portuguesa dessa época até aos dias de crise de hoje.

A maioria das BDs sobre Punk aparecem em edições de pequena tiragem como fanzines e livros auto-editados de Rigo, T.C. Pestana, Associação Chili Com Carne, fanzines de BD (Ritmo, Epitáfio, Nuxcuro, Hips!, Mesinha de Cabeceira, KBD e Azul BD3), fanzines punk (Cadáver Esquisito, Morte à Censura e LBN Punx Zine) e ainda fanzines punk de BD: Over-12, Os Positivos e Ezequiel.


3. Que documentação apresentam essas obras sobre a realidade do punk?

Conforme as preocupações do projecto KISMIF, tentou-se localizar tópicos que possam ajudar investigadores noutros estudos: o retrato da boémia ou ambientes ligados à cultura urbana em Portugal, identificação de punks ligados à música, bandas e concertos, códigos comportamentais e estéticos, convívio com outras tribos urbanas em especial com a cultura skinhead neo-nazi, comportamentos sexuais, utilização de drogas, movimento okupa e o “aging”.

Em relação à boémia, a BD portuguesa tem várias obras que apresentam casos realistas dos sítios que eram frequentado e a respectiva “fauna”, sobretudo no que diz respeito à capital nos anos 80 e 90 em obras de Relvas, Ana Cortesão (importantíssima a sua BD sem título de 1993 reeditada mais tarde no álbum A minha vida é um esgoto para perceber o cosmopolitismo e a “gentrificação” de Lisboa no final dos 80s), o álbum colectivo Noites de Vidro (CML; 1991) sobre os sítios nocturnos de Lisboa e as três BDs do (anti-herói) Ruivo de Diniz Conefrey no Blitz.

Quanto a representação de músicos punks conclui-se facilmente que João Ribas (1965-2014) é o super-punk! É o músico mais retratado por gerações diferentes: Relvas na Sangue Violeta (no Se7e) em 1984 com a banda Kú de Judas; Diniz Conefrey no jornal Blitz (1992) e por Afonso Cortez-Pinto e Marcos Farrajota no disco Raridades (2009) nos tempos de Censurados. Haverá mais bandas portuguesas (e estrangeiras) representadas não necessariamente punk ou underground até hoje: Xutos & Pontapés, UHF e Pop Dell’Arte (na colecção BD Pop Rock Português), Crise Total, X-Acto, Albert Fish, Ratos de Porão entre outros sobretudo em zines.

A BD é excelente para representar códigos comportamentais e estéticos de tribos urbanas e encontram-se em várias obras já citadas (Relvas, Rigo, Saraiva, etc…) e mais tarde no primeiro volume da série Loverboy, de Marte e João Fazenda, os comportamentos globalizados da “cultura alternativa” marcada pela MTV.

Surpreendente é a presença de skinheads nas BDs, na maior parte do tempo como figurantes mas também como antagonistas às personagens principais, sobretudo nos anos 90. A única situação realista com estes indivíduos é dada pela primeira BD de Ruivo (de Conefrey) em que regista um jogo parvo e estranho de darem estaladas uns nos outros. Outras tribos urbanas (rockabillys, dreads, “vanguardas”, freaks e metaleiros) aparecem noutras BDs em coexistência mais ou menos pacífica. Violência policial quase nunca é retratada tirando uma referência numa BD de T.C Pestana num Gambuzine.

Procurou-se por sexo mas não se descobriu nada de especial tirando o facto que quase toda a sexualidade na BD portuguesa é sobre um ponto de vista heterossexual mesmo na ”BD punk”. Dentro da ficção há várias fantasias eróticas envolta do imaginário punk, como demonstra Nunsky em duas BDs no zine Mesinha de CabeceiraInadaptados (1994) e 88 (1997).

Já a droga é quase sinónimo de Punk, e por isso “ela” (a heroína) está-lhe sempre associada, em modo de ficção, humor ou fantasia. O caso mais real será a excelente BD de Pestana - O meu vizinho no Gambuzine de 2008 - que conta uma história sobre a sua experiência pessoal numa “okupa” em Hannover, em 1989, com toxicodependentes.

É suposto que as “okupas” portuguesas feitas por punks aconteceram só nos anos 90 e talvez por isso que demoram a aparecer nas BDs. Só neste milénio é que existem esses registos, mesmo que se reportem a 1989 como a BD de Pestana que apesar de se passar na Alemanha com as devidas distâncias socioeconómicas reflecte bem o espírito da altura. Há mais dois registos sobre “okupas” portuguesas, uma no livro Boring Europa (Chili Com Carne; 2011) sobre a destruição da S.P.C.C., provavelmente a última “okupa” em Lisboa, e José Smith Vargas sobre a expulsão e emparedamento do edifício onde decorria o projecto social auto-suficiente e autogerido Es.Col.A no Alto da Fontinha, Porto – editada na revista Buraco (2012).

Sobre o “aging” a situação complica-se porque não há uma obra como Locas do norte-americano Jaime Hernandez em Portugal (sobre este autor, ver anexo 1). Por isso é preciso saltitar por registos que ofereçam situações idênticas, sendo que a escolha será sobre autores que usem a “autobiografia” como matéria-prima na sua obra, como Marcos Farrajota, Marco Mendes e Teresa Câmara Pestana. É preciso fazer pontes entre eles para ter uma vista panorâmica do que possa ser a vida de criativos em Portugal ligados à cultura DIY. Curiosamente até há uma crítica a um autor quando Pestana ataca Farrajota por ser um “punk de escritório (…) quase honesto”, num número do Gambuzine. Em contraponto há as BDs que Farrajota fez em 1995, 2001 e 2011 em vários zines sobre o “ponto da situação” da sua vida, sobretudo a profissional. E Mendes tem feito autobiografia desde 2007 apanhando temas como a boémia do Porto, o trabalho precário e miséria social da crise portuguesa que assaltou o século XXI. Estas duas últimas situações são preocupações de uma classe “mérdia” (usando uma expressão de Pestana) mas sendo são dos poucos testemunhos sobre percursos de vida que se pode fazer analogias aos modos de vida das subculturas em Portugal. Por fim, têm sido colocadas questões “existenciais” à cultura punk e underground por Farrajota no zine brasileiro Prego (2011), no livrinho do DVD do 15º aniversário do Festival de Metal de Barroselas (2011) e na revista eslovena Stripburger #62 (2013).


4. De que forma o punk é tratado nas BDs?

Maltratado, claro! Sobretudo no campo da ficção e fantasia, alinhado à cultura oficial, o Punk aparece representado como um pequeno criminoso de rua, marginal ou toxicodependente, geralmente identificado com um moicano. Mesmo as personagens principais de obras sobre punks elas parecem pouco “humanas” – o que Violeta de Relvas nos diz? Diz tanto como o emblemático slogan “No Future”. Pode-se afirmar que não há personagens punks interessantes! Também não se detectou “anti-heróis” – como os estrangeiros Peter Pank, Tank girl ou Bob Cuspe… E já agora, sejamos realistas estes três exemplos vieram a Portugal importados de revistas brasileiras! Quase não há representações de punks de BDs estrangeiras traduzidas em Portugal – encontrei uma BD de Serge Clerc no Jornal da B.D. (1985) e pouco mais… Só isto revela a (falta de) dinâmica do mercado nacional.

Só no final dos 90 e neste milénio é que os punks são tratados como “pessoas” (Pestana, Boring Europa, Farrajota), devido a duas razões. Primeiro, porque o punk em Portugal começou como algo fútil, uma tribo urbana a fugir à modorra pós-PREC, e só nos anos 90 é que se foi metamorfoseando num circuito realmente underground com estruturas e modos de vida militantes; e em segundo, só nos anos 90 é que a BD portuguesa acedeu aos novos paradigmas de criação da “BD Alternativa” norte-americana e europeia, explorando o género “documental” até então inexistente ou esquecido – estranhamente quando os pioneiros Rafael Bordalo Pinheiro e Carlos Botelho fartaram-se de fazer Crónica!


5. Existem autores que foram / são punks?

A discussão neste ponto é complicada porque tinha-se de identificar autores “punks” no meio de uma enorme lista de autores de BD em Portugal ligados à cultura DIY. Esta cultura DIY na BD nacional justifica-se pela ausência de editoras interessadas em publicar autores portugueses, com trabalhos comerciais ou não. Fazer um levantamento dos artistas que publicaram os seus fanzines ou criaram estruturas independentes de edição mostra um verdadeiro “movimento” que raramente se pode ver noutras áreas criativas neste “país onde não se passa nada”. Mais do que haver ou ter havido autores punks, o que houve foi autores que fazem “flirts” ao Punk e a cultura DIY, uns com mais militância que outros, raramente colocando um moicano na cabeça.

Em teoria, o punk não trouxe movimentos para a BD, o estudioso Domingos Isabelinho no texto do catálogo Tinta nos Nervos até duvida que se possa falar em “ismos” na BD. E se pudermos afirmar que a cena da BD é tendencialmente conservadora devido ao seu passado infanto-juvenil e que a cena punk é essencialmente politizada, quem vive num dos mundos será impossível viver no outro. São raros os casos de intersecção mesmo a nível internacional. Foram escolhidos quatro casos para criar modelos de identificação de autores punk (ver anexo 1), a saber:

1)            BD de género dentro de um nicho (Ganes)
2)            BD com aspecto tradicional que retrata uma cena (Hernandez)
3)            BD autobiográfica na cena punk (Konture)
4)            BD com um estilo gráfico surgido da acção punk (Panter)

Tentando usar modelos internacionais para identificar “autores punk” até se encontra situações idênticas com as devidas longas distâncias. O caso do britânico Simon Gane, o “king of punk comics”, ou seja, uma “BD de género dentro de um nicho de mercado” poderá ser encontrado em Portugal através dos autores Marcelão e Valter de Matos que publicaram ou ainda publicam, respectivamente, os fanzines Over-12 e Os Positivos. Circunscritos ao reduzido circuito do Hardcore e Straight Edge português torna-os quase invisíveis ao “olho público” comparando com a “fama” de Gane no underground internacional. No entanto neste milénio, o underground português tem-se profissionalizado e embora as suas BDs não reflictam directamente uma vivência “punk”, encontramos os nomes de André Coelho e José Smith Vargas reconhecidos mais pelo trabalho gráfico para cartazes, capas de discos, skates, t-shirts do mundo da música underground ao nível internacional.

No caso de Jaime Hernandez, ou uma “BD com aspecto tradicional que retrata uma cena” já foi referido os casos de Relvas, Conefrey, Loverboy e Mascarenhas que tratam sobretudo de situações lisboetas de boémia com alguns punks mas de longe apanham o fenómeno de “aging” ou oferecem vozes para uma minoria cultural.

No caso do francês Mattt Konture, ou “BD autobiográfica na cena punk”, há claramente T.C. Pestana que se enquadra num estilo de vida underground e em contacto profundo com esta cultura.

E para equiparar ao texano Gary Panter (ou “BD com estilo gráfico surgido da acção punk”) parece impossível fazer essa correlação e salta-se para a última questão.


6. Havendo autores punks, que estilos gráficos usam? Haverá um estilo gráfico punk português?

Os estilos gráficos das BDs portuguesas são deveras personalizados devido à falta de massa crítica de produção, ao contrário dos facilmente identificáveis estilos de países com grandes mercados e indústrias culturais como o Japão (o “estilo Manga”), os EUA (o género “Super-Heróis”) e os “grandes narizes” e a “linha clara” da BD franco-belga. Em Portugal, cada autor, underground ou comercial, desenvolve o seu estilo gráfico único e que poucos imitam porque cada estilo reflecte um percurso irrepetível de carreira profissional, que não pode ser continuado por outros.

Aumentando o leque de observação para os autores de BD que fizeram grafismos para bandas / discos / cartazes punk também não se conseguem deslumbrar uma linha gráfica única porque também na música portuguesa nos anos 80 e 90 se faziam poucos discos de bandas nacionais – como referido, só o aumento de produção de discos neste milénio é que criou um nicho para autores como Coelho ou Vargas.

No grafismo Punk, consegue-se identificar algumas características gerais, a maior parte passiveis com origens noutras denominações artísticas como no Dada, Art Brut, Geração Beat e Situacionismo. O Punk e a música Industrial irão exponenciar muitas dessas características transformando-as em práticas comuns na produção criativa popular. As quatro características possíveis de identificar grafismo “punk” serão:

1)            O “brutismo”, ou autores sem formação que criam sem pudor ou interesse económico, tal como o termo “Art Brut” cunhado por Jean Dubuffet;
2)            Iconoclastia, ou a alteração de imagens, o uso da colagem, os “detournement” Situacionistas, vindo dos Dadas e “ready-mades”;
3)            O humor como confronto político e social, inteligente e contundente (como Dead Kennedys ou os Crass nas capas de discos) ou apenas grosseiro e canalha (como mil bandas Drunk / Street Punk fazem com desenhos feitos na tasca mais perto de si);
4)            O DIY, que significa na realidade Independência ou Liberdade, em que o autor prefere fazer ele próprio tudo, dominar os meios de produção invés de entregar um trabalho a alguém que o poderá arruinar ou alterar a forma ou o conteúdo.

Tentou-se verificar se existem alguns traços comuns entre a produção nacional com as características básicas da estética Punk, chega-se à conclusão que a “iconoclastia” e o “humor” não são características que se possam assinalar por razões equidistantes, no primeiro caso porque é raro encontrar colagem na BD ou uso exclusivo dessa técnica, e no segundo, o impacto da revista brasileira Chiclete Com Banana (onde aparecia o Bob Cuspe) do Angeli ultrapassa o “guetho” punk e encontra-se em várias produções humorísticas generalistas portuguesas de BD. Também se deve pensar que o humor escatológico e tonto é quase universal nas produções punk para ser pensado como um exclusivo nacional.

Já a “art brut” (ou sujidade ou espontaneidade do desenho) e o “DIY” (que não é um valor estético em si) são as características que unem uma série de autores de BD, que tenham ou não tratado de assuntos punk, desde os anos 70. Em parte deve-se ao advento das tecnologias baratas de reprodução (as fotocopiadoras) que permitirem cada um publicar sem pedir licença a ninguém e explorar as limitações dessas tecnologias no tratamento das suas imagens, de forma que esses processos ajudaram os seus estilos a evoluírem.
Será também o desenvolvimento tecnológico dos meios digitais (a começar pelo processamento de texto até ao Photoshop) que irão limpar e nivelar os grafismos underground até um profissionalismo que se confunde com o da cultura oficial, a partir dos meados dos anos 90.

Por fim, pegando na questão da produção de fanzines e auto-edição, surge a dúvida da “galinha ou o ovo” na BD portuguesa. Olhando para grande produção de fanzines portugueses que data ainda antes do 25 de Abril de 1974 fica-se a pensar se a influência do Punk na BD portuguesa não passa de um fenómeno paralelo, um bastardo de algo maior que estava acontecer. Uma dúvida que merece uma investigação específica.

A produção portuguesa de BD sustenta-se na premissa da produção amadora, militante e DIY para existir e evoluir ao longo dos tempos, especialmente depois do 25 de Abril quando o profissionalismo tornou-se cada vez mais raro – essa raridade já vinha dos anos 60 em que deixou de haver um proteccionismo de Estado para este mercado. São poucas as séries publicadas em jornais ou revistas e raramente existem encomendas para livros. Quase toda a produção pós-25 de Abril é feita de auto-edições ou editoras que são empresas de pequena dimensão. Logo o que se podia dizer com muita excitação é que a BD portuguesa é Punk!

Uma frase exacerbada e demente, claro, mas que merece alguma reflexão apesar de tudo.

Bibliografia e anexo 1 de Punk Comix

Anexo 1: Very Important Punks (autores mais conhecidos de BD punk)

O britânico Simon Gane (1972?) seria daqueles nomes que na BD dirá pouco, porque a sua obra não é particularmente inovadora mas é um autor reconhecido na cena punk, ou pelo menos era nos anos 90. Diz-se que não há fanzine punk que já não tenha publicado, com ou sem consentimento do autor, imagens da sua personagem “Arnie, The Anarchist”, série essa que tem a lógica da tira humorística num micro-universo em volta das questões da Anarquia. No seu auge na cena punk ainda ilustrou centenas de capas de discos, cartazes e outra efémera. Hoje, parece que Gane é um autor como muitos outros no grande mercado norte-americano, trabalhando para editoras conhecidas como a Top Shelf e a DC Comics. Se Gane recebeu o título “king of punk comics” foi por reconhecimento na cena punk e não pela BD, claro.

A BD aliás tem esta tendência a ser um clube de rapazes bem-comportados devido à sua pesada história da BD comercial que parece devorar tudo e todos fora desse parâmetro. Talvez por isso seja raro haver autores como o francês Mattt Konture (1965) que tem uma legião underground de leitores. Konture vem da cultura punk – onde aliás, continua – como artista gráfico e como músico mas ao contrário de Gane, a BD que realiza é sobre essa realidade na primeira pessoa, embora muitas vezes o seu trabalho passe pelo automatismo, experimentalismo e psicadelismo como se verifica na sua única BD publicada em Portugal na revista Quadrado #2 (3ª série, Bedeteca de Lisboa; Set’00). Ele e outros cinco autores foram responsáveis pela criação da editora L’Association, em 1990, que modificou para sempre a BD europeia, em grande parte pela abordagem da autobiografia à BD. O seu estilo gráfico é misto do “brutismo” (Art Brut e estética lo-fi do punk) e uma tradição abonecada que ainda vem do underground dos anos 60, sendo Robert Crumb uma influência assumida de Konture.

Nos EUA, é impossível não referir aos três irmãos Hernandez que criaram a revista Love & Rockets (título que os ex-Bauhaus roubaram sem vergonha) em 1981 e que é um marco histórico para o subsequente movimento da “BD alternativa” que cresceu daí até ao fim do século passado. Um dos irmãos, Jaime (1959), realizou nesta publicação a série “Locas” que tratava da vivência no meio punk/ hardcore da Califórnia. Os Hernandez apesar de não realizarem registos autobiográficos como Konture, as histórias que contam são fruto dos seus encontros quotidianos com a comunidade latina em que se inserem, o que imediatamente as torna importantes num contexto sociológico de testemunho de uma minoria cultural norte-americana. Não só uma minoria latina que representam mas, curiosamente, também de um testemunho feminino na cultura punk/ hardcore, uma vez que a maioria das personagens dos Hernandez são mulheres. Em trinta anos mantiveram a revista e as suas séries, com algumas interrupções pelo meio, o que permite fazer uma análise de “aging” sobre estas personagens fictícias mas que transpiram realidade pelos poros. Resta dizer que o estilo gráfico deles é tradicional, realista, Pop estilizado a lembrar o grafismo dos anos 50 mas a preto e branco – obrigatoriamente pela questão de custos de impressão da revista. À superfície o que interessa mais será o conteúdo do que a estética por mais que uma das personagens costume usar “patches” de Black Flag.

A antítese dos Hernandez (e dos outros) será o texano Gary Panter (1950) cujo desenho “deficiente” e “ratado” é largamente influenciado pela liberdade estética que o punk trouxe. Ele próprio foi ilustrador e autor de BD para um fanzine punk, Slash, entre 1977 e 1980, desenhou material gráfico para várias bandas, sobressaindo-se como um importante artista gráfico. O problema será saber se as BDs de Panter contam algo realista sobre o punk e à partida a resposta será “não”. No máximo poderá contar que houve (ou há) punks com muito ácidos e vindos da província como o seu Jimbo mas como o mundo onde esta personagem se move é demasiado instável para o posicionarmos onde quer que for - mesmo quando a cara de Jimbo tenha sido inspirada pela do vocalista dos The Screamers. Panter é um exemplo como o primitivismo estético do punk foi rapidamente assimilado pelos artistas dos anos 80, fazendo dele uma figura de vanguarda nessa década quando publicava na seminal Raw, revista dirigida por Art Spiegelman.





Bibliografia
Cortesão, Ana; A minha vida é um esgoto; Lisboa : BaleiAzul : Bedeteca de Lisboa; 1999
Deus, A. Dias de;  Os Comics em Portugal : uma história da banda desenhada; Lisboa : Cotovia : Bedeteca de Lisboa, 1997
Farrajota, Marcos; Komikazen : cartografia dell'Europa a fumetti; [Veneza] : Edizioni del Vento, 2007
_____; Noitadas, Deprês e Bubas; Cascais : Associação Chili com Carne; 2008
_____; Talento Local; Cascais : Associação Chili com Carne; 2010
_____; Metakatz; Bruxelas : 5éme Couche, 2013
Guerra, Paula; Quintela, Pedro; Dolbeth, Júlio; God save the Portuguese fanzines. Porto: Universidade do Porto – Faculdade de Letras; 2014
Holmstrom, John; Hurd, Bridget; The Best of Punk Magazine; Nova Iorque : HarpersCollins, 2012
Isabelinho, Domingos; Tinta nos nervos : banda desenhada portuguesa; Lisboa : Museu Colecção Berardo, 2011
Lisboa; Noites de Vidro; Câmara Municipal - Pelouro da Cultura; 1991
Marte; Fazenda, João; Loverboy, o rebelde; Lisboa : Polvo; 1998
Martins, Fernando; Pop dell'arte; Lisboa : A bela e o monstro, cop.; 2011
Mascarenhas, João; Punk Redux; Sintra : Qual Albatroz; 2011
Mendes, Marco; Salão Olímpico 2003-2006; Porto : Fundação de Serralves, 2006
_____; Diário rasgado : 2007-12; Porto : Mundo Fantasma; 2012
Nunsky; 88; Cascais : Associação Chili Com Carne; 1997
Pestana, Teresa Câmara; Aqui? Babilónia; [s.l.] : Edição Infecta; 1995
Pestana, Teresa Câmara; Continuamos aqui?; [s.l.] : Edição Infecta; 1996
Piedade, Luís; Raridades; [s.l.] : Zerowork Records; 2008
Relvas, Fernando; Sangue Violeta e outros contos; [s.l.] : El Pep; 2012
Ribeiro, Ana; Farrajota, Marcos; Martins, Ricardo; Boring Europa; Cascais : Associação Chili Com Carne; 2011
Rigo 23; Ganmse; Lisboa; 1986
Sá, Leonardo de; Lino, Geraldes; Dédalo dos fanzines : o catálogo das publicações amadoras de banda desenhada em Portugal; Lisboa : Edições Temporárias : 1997
Sabin, Roger; Triggs, Teal; Below critical radar : fanzines and alternative comics from 1976 to now; Hove : Slab-O-Concrete, [2001?]
Saraiva, Nuno; Zé Inocêncio : as aventuras extra ordinárias dum falo barato; Lisboa : BaleiAzul : Bedeteca de Lisboa; 1997
Spencer, Amy; DIY : The Rise of Lo-Fi Culture; Londres : Marion Boyars, 2005
SWR Barroselas Metal Fest; Farrajota, Marcos; The 15th rebellion of the steel warriors; Barroselas : Sonic Events; 2012
Vieira, Joaquim; Portugal Século XX : Crónica em Imagens : 1950-60; Lisboa : Círculo de Leitores; 2000
Zink, Rui; Literatura gráfica? : banda desenhada portuguesa contemporânea; Oeiras : Celta, 1999

Jornais e revistas
- Blitz (1990-92). Lisboa : VASP Sociedade de Transportes e Distribuição
- Quadrado, 3ª série (2000). Lisboa : Bedeteca de Lisboa
- Stripburger (2013). Ljubjana : Forum Ljubjana
- Tintin (1979-1982). Amadora : Livraria Internacional, lda

Sites
- chilicomcarne.blogspot.com (da Associação Chili Com Carne)
- mesinha-de-cabeceira.blogspot.com (de Marcos Farrajota)
- rocknoliceu.blogspot.com (de André Nascimento)
- vimeo.com/75151697 (de Miguel Nozolino)

Zines:
- Buraco (2012). Porto
- Cru (2012-2014). Póvoa de Varzim : Esgar Acelerado
- Gambuzine (1999-2008). Porto : Edição Infecta
- Mesinha de Cabeceira (1992-2015). Cascais : FC Kómix
- Prego (2011). Vila Velha : Alex Vieira

Entrevistas

- Diniz Conefrey (Abril 2014) por e-mail

domingo, 12 de outubro de 2014

comix remix extra

Enquanto ia escrevendo o artigo Comix Remix iam aparecendo sempre novas situações ou velhas lembranças sobterradas, (re)descobertas que impressionavam e que poderiam ter entrado no artigo com o perigo de o transformar numa listagem, afinal são mais curiosidades que obras seminais mas gostaria de as partilhar aqui seja como for... 


Estive em Maio no Porto, na feira da ladra mais podre do país. Chama-se Vandoma e cada vez é maior e com mais tralha. Foi lá que descobri Grande Música Negra (RÉS; 1975), quinto livro de Jorge Lima Barreto. Um livrinho de capa preta que fala de Jazz à pedante que merece aquele tema dos Naked City: Jazz snob eat shit. Mas seria injusto também não escrever que a pespectiva é sempre chamar atenção ao sofrimento dos negros nos EUA. O que me motivou a comprar o livro não foi para ler sobre Jazz mas porque custava um euro e nas primeiras páginas do livro Barreto faz um "detournement" sobre uma BD do Tarzan, ou seja, mudou o texto original por outro completamente anti-imperialista, anti-colonialista e bastante divertido, como se espera desta técnica situacionista. Foi curioso encontrar isto a poucos dias de lançar o novo livro do Rui Eduardo Paes, o "a" maiúsculo com um círculo à volta. Barreto ousou usar uma BD para servir de chamariz visual, ou melhor ainda, como um manifesto contra o racismo e a exploração capitalista sem ser escrito apenas como texto simples. Em Portugal é tão raro usar a ilustração nos livros - visto como algo menor - que realmente este livro surpreende pela ousadia dupla, de pegar em desenho / BD e pelo "detournement".



Talvez nos anos 70 os intelectuais fossem menos parvos do que são hoje... No mesmo ano é editado em forma de livro comercial Conto de Natal para crianças (Forja) do poeta surrealista Mário Henrique Leiria, todo ele é um livro ilustrado e usando ideias de "detournement" do Situacionismo (e não do Surrealismo) porque é uma obra política. Realizado em Dezembro de 1972 como oferta a um amigo, este livro junta um texto inocente escrito com uma caligrafia de criança com as imagens mais horríveis da altura: mutilados de guerra, massacres e fome, fotografias de políticos fascistas "da altura" (Salazar, Nixon, Pinochet),... Uma obra de choque visual usando o paradoxo do texto bonito com imagens feias. Surgiu isto trocando outro livro de Leiria, Casos de Direito Galático, com um sócio da Chili Com Carne encontrado sem querer no mundo dos leilões virtuais. O mundo também é pequeno na Internet!



Esta página foi publicada no jornal Coice de Mula #4 (2002) e é de autoria de Alex Gaspar (1965-2010). O jornal existiu em oito números entre 1999 e 2007 "para a despoluição da arte contemporânea" sendo que o autor sempre colaborou com algumas BDs, algumas vezes assinando Chiquinho das Perdizes ou Frank Cinatra, creio... Esta será a única vez que assume o seu nome verdadeiro e pela reprodução a preto e branco do jornal ia jurar que o autor colou imagens alheias dos fachos do Batman e Tintim. Mais tarde esta BD seria republicada a cores num fanzine do Geraldes Lino dedicado a "Efemérides" (e sim, esse é o nome do fanzine) e aí topa-se que na realidade o autor ou fez imitação à vista ou decalcou as imagens. Não deixa de ser um "comix-remix" de alguma forma sendo que a BD fala por si...


Entretanto o camarada Lam enviou-me este link zdnd.tumblr.com, terra do não-direito (de autor) mas também do francês Yvang que desenvolve um trabalho incrível de colagem fractal de BD popular bem Pop, colorida, psicadélica vintage,... E poucos dias recebia a newsletter do Le Dernier Cri a anunciar a exposição e catálogo Fotoshok (2013) dedicada a montagens, onde vamos ter os cirurgicos Fredox ou Sekitani, o punk-velho Winston Smith (Dead Kennedys, Alternative Tentacles,...), o muy digital Dave 2000 entre outros cromos... tudo à mistura e sem créditos, uma javardice à LDC, um gajo tem de conhecer os trabalhos da malta para os poder identificar!



Por fim, na Terça FEIA apanhei um livrinho A6 editado pelo Samba, intitulado Sem/ registo (2012) de um tal Pedro Ivo Verçosa... É uma BD inteiramente feita de colagens e sem palavras. Um livro simples com um relato simples de uma bola humana que faz metamorfoses várias até voltar tudo ao mesmo. Plasticamente é bonito e vê-se que o autor domina a narrativa e composições de páginas da BD.


Outro caso deste espírito dos tempos do Comix Remix, foi o lançamento do livro Le Carnet Rouge (Soleil; 2007) do dinamarquês Teddy Kristiansen para o mercado norte-americano. O livro sofreu o milagre da duplicação e ficou um "split-álbum": The Red Diary / The Re[a]d Diary (Image; 2012). O que aconteceu é que Steven T. Seagle (argumentista ianque que colabora com Kristiansen nos super-heróis) não sabendo um pingo de francês ou dinamarquês "traduziu" o livro criando um texto novo para as mesmas imagens - aliás, ele usou a sua técnica de "transliteration", que é "traduzir" palavras de uma língua para o inglês mas pelo o que ela "soa" ou se "parece". O resultado é um texto - uma história - completamente diferente do Le Carnet Rouge. Ambos os contos não são nada de especial, algo de "light" como é típico nos "álbuns franco-belgas", em que a mediocridade de temas são disfarçados pela "bela" arte, que todos reconhecerão Kristiansen como tal, com o seu estilo "impressionista" - talvez por iso é que tem no currículo o facto de ter sido o primeiro europeu a desenhar o Super-Homem. Mas depois de ler a sensação é que não muito a não ser "belos" desenhos. Curiosamente, o texto de Seagle parece ser mais concreto e interessante que o "original"... Foi o Joseph Beuys que disse que a "cópia é melhor que o original"?

terça-feira, 18 de julho de 2000

Tentativa de explicação porque a BD de bons argumentistas continuam a ser más BDs...

É-me quase impossível escrever um argumento para um filme sem primeiro escrever uma história. Até um filme depende, além do enredo, de uma certa dose de caracterização, disposição e atmosfera; e estas pareciam-me quase impossíveis de captar pela primeira vez no manuscrito de um script. Pode reproduzir-se um efeito apanhado noutro meio, mas não se pode realizar-se o primeiro acto de criação em forma de script. Deve ter-se a noção daquilo de que se precisa. O Terceiro Homem, pois, embora não escrito para ser publicado, teve de começar como uma história, perante as aparentemente intermináceis transformações de um tratamento para outro. 
- Graham Greene, 1963 ou 1977?

sexta-feira, 7 de janeiro de 2000

A censura portuguesa dos anos 50




in Portugal Século XX : Crónica em Imagens : 1950-60 (Círculo de Leitores; 2000) de Joaquim Vieira

quinta-feira, 11 de novembro de 1999

Rui Zink in Literatura Gráfica? (Celta; 1999), pág. 66:

Mais fácil do que dizer o que é BD para adultos é dizer o que não é. É aquela que não tem como público-alvo a faixa infanto-juvenil, nem faz concessões de tratamento temático.

sexta-feira, 13 de agosto de 1982

The Penguin Book of Political Comics

Steef Davidson
Penguin, 1982

Não foi a BD que me levou a este livro mas antes um livro sobre "música" / "contra-cultura" escrito por Marcus Greil. É curioso que embora a origem da BD moderna, a que conhecemos por causa do suporte de impressão, começou precisamente como uma forma artística de crítica social e política. No virar do século XX perdeu essa importância para o mercado do entertenimento para "todo o público", o que significou, na realidade, na sua infantilização para só voltar a ser interessante nos anos 60 com o movimento "underground". Mais curioso ainda é que é muito raro encontrar uma "História da BD para adultos" - e adultos não significa as fodinhas do Manara e afins. Adulto no sentido em que as obras sirvam para reflectir e discutir, que tenham um conteúdo artístico e político como tinham as de Raphael Bordallo Pinheiro, por exemplo.

Descobrir um livro destes é mesmo um achado porque revela uma história anónima focada justamente nas questões de lutas políticas e sociais - e reacionárias e de propaganda - em toda a parte do planeta: Angola, China, EUA, Portugal, Espanha, Inglaterra, França, Itália, Suécia, Bélgica, Holanda,...

Graças a esta edição podemos ver várias situações interessantes, três em especial: a recolha de material inédito histórico internacional e português e o tipo de trabalho especifico que é a "BD política".


um cartoon e uma BD de Vicente Barão publicados no livro
Começo pelo meio, porque é aí que está a virtude e porque não conhecia a série de BD Os Bonecos de Vicente Barão, publicada no Comércio do Funchal, um jornal "do contra" que segundo Davidson, depois do 25 de Abril transformou-se num periódico ainda "mais do contra", tão radical ao ponto de ser banido pelo MFA - o jornal existiu entre 1934 e 1976. A julgar pela amostra no livro (imagem) percebe-se que estamos a um nível de um humor pesado à Hara-Kiri... Entretanto só  descobri uma referência ao autor no catálogo Uma Revolução Desenhada : O 25 de Abril e a BD (Afrontamento + Bedeteca de Lisboa + Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra; 1999) de J.M. Lameiras, J.P.P. Boléo e J.R. Santos mas mais nada... Nem no Dicionário dos Autores de Banda Desenhada e Cartoon em Portugal  (Época de Ouro; 1999) de António Dias de Deus e Leonardo de Sá nem numa divertida conversa com o Geraldes Lino, o nosso "cromo da BD" favorito. Ainda referente a Portugal há algumas BDs sobre propaganda clandestina de partidos comunistas, e de Angola, sobre a guerra colonial e o apelo à guerrilha no mato, por um lado com panfletos a favor (pela MPLA) e por outro contra, pelas Forças Armadas Portuguesas.

A recolha de Davidson é fabulosa: de panfletos do Partido Nazi Americano ao seu contrário (panfletos alemães de esquerda contra os Nacional-Socialistas nos anos 30), panfletos de sindicatos, de movimentos a favor da ocupações, comix underground norte-americanos (a capa não engana: Gilbert Shelton), várias BDs "detournement" da Internacional Situacionista - incluindo a BD "O regresso da coluna Durutti" que precipitou os acontecimentos de Maio de 68! -, dos Provo (movimento holandês que o autor fez parte mas onde também vamos encontrar o Willem), dos Motherfuckers, dos Panteras Negras, material de anti-comunistas, anti-corporativistas, movimentos ecológicos, e ainda BD's de sabotagem distribuídos no exército norte-americano, em bases no Vietnam e na Alemanha. Ou seja, um misto de material que tanto apareceu de forma oficial como revistas alternativas da Suécia (Almbladet e Pus), de forma efémera (panfletos, autocolantes), de díficil acesso como fanzines ou clandestino! Esta exemplar recolha vai até 1976, data da edição original holandesa.

Por fim, sobre os trabalhos propriamente ditos, será mais ou menos previsível que a qualidade dos trabalhos e dos artistas tenham diferenças monstruosas. Como vimos tanto podemos encontrar autores profissionais, militantes ou não de causas específicas, como um camarada lá no partido que costuma fazer umas bonecadas e que tem jeitinho pró desenho. Vamos encontrar um Robert Crumb apanhado pelos sinais dos tempos, um Spain que acredita nas Panteras Negras; alguns fizeram BDs de forma oficial como Joost Swarte que desenha um panfleto, em 1973, contra o consumo de marcas com café angolano como forma de oposição à guerra colonial do governo português; outros são "ripados" como uma colagem que usa um desenho de Crumb para uma mensagem Situacionista - na referência aparece "Portugal, 1971; cartaz distribuído em universidades",  curiosamente... E é sobretudo nesta área que vamos encontrar muitas BDs, especialmente Situacionista, aplicando o "desvio" ou o "detournement" -, ou seja, o uso de material visual alheio para aplicar outros textos e subvertendo a mensagem original. Eis um exemplo que apanhei recentemente de uma figura portuguesa insuspeita! Esta prática aparece por todo lado muitas vezes usando BDs comerciais bastante conhecidas (Super-Homem, Fantasma, personagens da Marvel e Disney) outras menos. Algumas usam um misto de desenho e fotografia, outras exclusivamente fotografias ou até fotonovelas - conhecidas erroneamente nos países anglos-saxónicos como "fumettis".

Como é óbvio não é a qualidade artística que interessa aqui mas sim a forma como a mensagem política é aplicada e divulgada. Nesse aspecto a maior parte dela é óbvia e directa, e curiosamente, aquela que é mais sofisticada a nível de texto é a propaganda fascista, não que o seu índice de intelectualidade seja elevado mas sobretudo porque fazem "piscar de olhos" aos burguesitos que devem pensar que são muito inteligentes... Aliás esse sempre foi o modo de operar da Direita, o de enganar o cérebro vaidoso da civilização, o da procurar mostrar ao público o quanto é superior. Dizia Morris, criador do Lucky Luke, a propósito do cão Rantanplan ou do irmão tótó dos Dalton para explicar o sucesso destas personagens: "o público gosta sempre de uma personagem estúpida". Talvez isso explique porque nas Democracias actuais tivemos ou temos gente burra e fascista como o Bush Jr. ou o Cavaco...